Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Programa de TV desta semana

Café com Cristo - Profeta mesmo só pede água


João 4 narra o encontro de Jesus com a mulher samaritana. Cansado pelo esforço da caminhada, Jesus para perto do poço de Jacó, encontra-se com uma mulher, de Samaria, começa um diálogo, pede água e, no final, ela tem sua vida mudada pelo poder do Espírito Santo.
A vida da mulher estava totalmente desordenada. Suas práticas reprovadas. Sua condição familiar mau exemplo. Suas crises patentes.
Respondendo asperamente à primeira intervenção de Jesus (Como pede de beber a mim, que sou mulher samaritana? - havia uma briga entre judeus e samaritanos), no final, torna-se dócil a ponto de sair de onde estava, esquecer o que fora fazer ali, que era pegar água, vai à cidade, anuncia a todos que o profeta esperado tinha chegado. Muitos se convertem.
Tudo foi possível em função da reação do profeta. À sua indelicada resposta, a mulher ouve: “Se tu conhecesses o dom de Deus e quem te pede água, tu lhe pedirias e ele te daria da água da vida!”. A segunda resposta da mulher revela seu parcial interesse: “Dá-me dessa água para que eu não venha mais aqui tirá-la!”. Embora seu pedido inicial fosse em outro sentido, à frente percebe-se que ela recebeu a água da vida! E sua vida foi mudada!
Jesus saiu dali sem nada pedir. Só água! Profeta mesmo só pede água! Isso não significa que não desafiará o povo, mas negócio com a bênção de Deus não é coisa de profeta.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

É possível o senhorio de Jesus na vida do cristão?

Mensagem pregada na Igreja Batista do Braga, Cabo Frio, RJ, no dia 15 de março de 2015, noite, domingo de carnaval.

Não é só você que enfrenta problemas


            Certo dia, uma colega professora me perguntou: “Neemias, você não tem problema? Eu nunca vi você lamentando! Parece ter sempre a vida tranquila”. Ela não sabia, mas, naquela semana, enfrentava um grande problema. Isso pode bom ou ruim, pois pode revelar sobriedade no meio da tribulação ou tentativa de esconder ou apresentar outra realidade. Avalie você!
            É muito comum a reação de pensar que só a gente enfrenta problemas. Normalmente, vemos os outros sempre em situação melhor e mais cômoda. Mas não é assim, todos enfrentamos problemas. O que muda são as reações e como as pessoas enfrentam os problemas.
            Lendo a Bíblia com a intenção de esclarecer o assunto, você verá que homens e mulheres de Deus enfrentaram grandes problemas. Alguns reagiram de um modo. Outros, de outro. A lição é que ninguém está livre e que as reações variam de acordo com as circunstâncias. Penso sempre que o único lugar aqui na terra onde não se enfrenta problemas é no cemitério. Assim mesmo para os que são levados pra lá. Os que vão por conta própria, ou para trabalho ou para levar alguém, também enfrenta.
            Jesus enfrentou problemas de toda a sorte. Ora os seus discípulos criavam situações difíceis para Ele. Ora os líderes religiosos e políticos de sua época faziam o mesmo. Paulo enfrentou em abundância. Chegou a registrar um caso curioso: “Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males; o Senhor lhe pague segundo as suas obras” - II Timóteo 4.14. Em outro texto, foi bem duro: “Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar” - I Timóteo 1.19-20.
            Você enfrenta problemas? Não se desespere! Confie em Deus! Aproveite o momento para aprender! Os obstáculos são capazes de testar a resistência e disciplina de um atleta. Os problemas, a dependência de Deus por parte dos cristãos.
            Deus te abençoe!

Pr. Vanderlei Batista Marins, novo presidente da Convenção Batista Brasileira, em seu discurso de posse, declara: "Darei o tom desta gestão!".


Discurso de Posse como Presidente da Convenção Batista Brasileira, proferido no Centro de Convenções Serra Park, Gramado, RS, na Assembleia Anual da Convenção Batista Brasileira, no dia 10 de fevereiro de 2015.

Prezados irmãos, este é, para mim, um momento muito especial, porque reconheço o valor de nossa de nossa denominação, a grandeza do reino do Senhor e as possibilidades da Convenção Batista Brasileira. Por isso, me dirijo aos irmãos com temor e tremor, mas na certeza de que o Senhor nos conduzirá por mais esses dois anos. E assim como abençoou os trabalhos da gestão do Pr. Luiz Roberto Silvado e de toda a diretoria que, com ele, atuou, também abençoará o nosso trabalho. Confiamos no Senhor e dependemos d'Ele. Temos certeza que, por nós mesmos, não iremos a lugar algum, mas, guiados pelo Senhor, chegaremos aonde Ele deseja e queremos caminhar realmente com o Senhor.

Batistas brasileiros, sejamos integralmente submissos a Cristo, este é o grande desafio, pois "libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna". Fomos, pelo Senhor, ministrados na instrumentalidade de servos d'Ele, irmãos nossos. E como nos fez bem a liderança de nossos irmãos que concluíram o mandato neste momento, mas, também, servos do Senhor, irmãos nossos, que, usados pelo próprio Senhor, puderam abençoar nossas vidas, sendo instrumentos de Deus, para que Ele fizesse fazer chegar a nós mensagens desafiadoras. Integralmente submissos a Cristo, experimentando os efeitos da graça libertadora, integralmente submissos a Cristo, evidenciando uma nova condição de vida, mas, também, refletindo as bases que instrumentalizam qualidade espiritual, arrependimento, quebrantamento e atitude de retorno a Deus, sobretudo focando no alvo final a vida eterna.

Agradeço de coração aos irmãos a confiança que depositaram em mim e nesta diretoria. Particularmente, é um momento muito especial na minha vida. Converti-me ao Senhor Jesus Cristo, sendo batizado no dia 28 de agosto de 1982, na Igreja Batista em Amontado, no sertão de São João da Barra. Deus me tirou, me resgatou da caminhada que havia iniciado, preparando-me para o sacerdócio católico. Por isso, fui expulso de casa. E, aqui, preciso prestar uma homenagem a três pessoas. Ao pastor Gaspar Carneiro de Araújo, o meu pastor, que me batizou e nunca se distanciou de mim, que acreditou em mim, que me ajudou como a um filho. Também agradecer ao Pr. Dr. Ebenézer Soares Ferreira, que me acolheu no Colégio Batista Fluminense, a minha casa, onde fui abrigado e, ali, além de continuar meus estudos, pude residir e sou grato a Deus pela visão, pela generosidade desse querido irmão, Dr. Ebenézer Soares Ferreira. Mas também à missionária Raimunda Lima Gomes de Barros, ela está presente neste auditório. Com ela, aprendi o amor por missões e o desejo de ganhar almas para Jesus. Reconheço a bondade desses irmãos. Tenho contado com o apoio da Igreja que sou pastor, a Primeira Igreja Batista em Alcântara, Rio de Janeiro. Também da Convenção Batista Fluminense
 que, por vários anos, diversas vezes, tem-me concedido o privilégio de presidi-la. E reconheço o grande amor da minha família, minha esposa e meus filhos.

Batistas brasileiros, precisamos valorizar a nossa base, e a nossa base é a Igreja. Também as associações e as convenções estaduais. Não é da Convenção para a Igreja, mas é da Igreja, a igreja é o ponto de referência. A Igreja encontra-se acima de mim e de qualquer pessoa. No que diz respeito à individualidade, ela é mais importante do que qualquer líder. Preciso também deixar claro neste momento que não somos melhores do que ninguém, nem mais importantes. Como diretoria, não somos estrelas da denominação, nós somos servos de Cristo e servos dos servos de Cristo. Somos cooperadores do evangelho e trabalhadores da lavoura de Jesus Cristo. Espero, prezados irmãos, neste mandato, valorizar mais Deus do que projetos, espero valorizar mais as pessoas do que as instituições, respeitá-las e tudo fazer para investir nelas, zelar pela integridade, pela estrutura, funcionamento saudável, obviamente, em nossas instituições, respeitar, valorizar e praticar a Bíblia, inerrante, plena, total, absoluta e imutável palavra de Deus, observar e fazer cumprir os documentos constitutivos de nossa querida Convenção Batista Brasileira, respeitar a Igreja, povo de Deus, expressão do reino, vitrine do Senhor neste mundo, entendendo que é na Igreja que aprendemos a viver nos céu, e é na Igreja que preparamos o tempo para a eternidade. Neste mandato, também desejo prestigiar e honrar os obreiros e obreiras do Senhor que deram de si para que fôssemos o que somos. Mas também homenagear os presidentes e diretorias que nos antecederam, reconhecendo o valor desses irmãos, reconhecendo a instrumentalidade deles, o zelo que tiveram e tudo que fizeram somos gratos a Deus por eles. Mas também os ilustres executivos que atuaram e que atuam para promover a obra batista em solo pátrio. Peço licença a este plenário para render homenagens, as minhas homenagens, à memória do pr. João Falcão Sobrinho, ex-executivo desta Convenção, convocado recentemente à presença do supremo pastor.
Preciso, irmãos batistas brasileiros, como presidente, priorizar algumas coisas. Em primeiro lugar, me inteirar de como realmente, em essência, está a Convenção Batista Brasileira, pois, doravante, respondo por ela. Como está a vida patrimonial, administrativa, financeira, jurídica e gerencial de todos os segmentos, respeitar os líderes, na expectativa de que por eles seja também respeitado. Depois de ter recebido todas as informações, e vou encaminhá-las a quem de direito, aos setores competentes, depois de ter todas as informações para instruir minhas ações, então, convocarei os meus pares, a diretoria da Convenção, pois faremos um trabalho de equipe e em equipe, mas serei o líder desta equipe, pois para isto os irmãos me elegeram nesta Assembleia, darei o tom desta gestão, pela graça de Deus e para a glória de Deus, darei o tom desta gestão. Mas ouviremos os campos, os líderes, os que querem contribuir, tendo um canal aberto para dialogar com todos que desejam o progresso da obra batista brasileira. Nunca fui presidente desta Convenção, mas ajudei em alguns momentos na Presidência, como vice, em gestão anterior. Sendo assim, meus irmãos, não trataremos ninguém de uma outra forma, senão com cordialidade, principescamente, porque os irmãos são jóias de Deus. Não trataremos ninguém no âmbito da Convenção Batista Brasileira como empregados, muito menos subalternos, mas como parceiros, responsáveis no cumprimento da mordomia que a nós o Senhor confiou. O que é de Deus deve ser cuidado com mais empenho e desvelo. Valorizar as gerações e trazer a juventude. Logo que fui eleito, conversei com a irmã Gilciane, manifestando o desejo do meu coração de que nas próximas assembleias teremos a participação efetiva da Juventude Batista Brasileira, mas sem prescindir das demais gerações. Dando oportunidade aos novos, é bem verdade, mentoreando-os para que construam a história, preservando a herança.

Convicção não deve nos faltar nas ações, pois ninguém vai além daquilo que crê, o que cremos define a nossa identidade, define o nosso estilo de vida, mas também a nossa perspectiva de futuro. Investir na unidade da denominação, afastar qualquer possibilidade de cisma, de desânimo, deve ser o ideal de todos nós, porque divisão nada justifica divisão, pois isto não é de Deus, e nós somos de Deus e irmãos.

Concluo, reconhecendo a liderança de meu antecessor, Pr. Luiz Roberto Silvado e os seus pares e para esses irmãos que conduziram de uma forma amistosa, amorosa, sendo voz corrente, uma das mais expressivas assembleias convencionais, o seu nível de espiritualidade e o seu empenho em ganhar almas para Jesus. Que Deus derrame as bênçãos dos céus, pr. Silvado, sobre o irmão, sobre todos os que estiveram na mesa, que Deus prospere a obra das mãos dos irmãos, que Deus possa recompensá-los com graça. E peço a este plenário que, para a glória de Deus, mas em reconhecimento ao trabalho desses irmãos, peço uma salva de palmas seja apresentada como nosso reconhecimento, nossa gratidão ao Pr. Silvado, ao Pr. Éber Silva, Pr. José Laurindo, Dona Iracy, a irmã Tânia, o Pr. Oliveira Araújo, a irmã Alzira, ao Dr. Lincoln, Deus abençoe os irmãos. Reconheço a liderança desses irmãos, quem não respeita a liderança dos outros não conhece o que significa liderança e quem não prestigia quem está na liderança é porque não deseja caminhar regido, não apenas por normas, mas pela consciência ética e pelo respeito àquele que Deus coloca na frente. Também reconhecemos a liderança do Pr. Sócrates Oliveira de Souza e a sua equipe. Reconhecemos também o grande valor dos gaúchos e reconhecemos a expressiva atuação desse amável povo de Deus, que se chama batista brasileiro.

E a palavra do Senhor, com ela termino, e ela nos diz: Que diremos, pois a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Somos justificados pelo Senhor. Arremata o apóstolo das gentes e ele arremata esse texto da seguinte maneira: Porque estou certo de que nem a morte nem a vida, nem a altura nem a profundidade, nem o presente nem o porvir, nada nos separará do grande amor de Deus em Cristo Jesus, o nosso Senhor. Somos unidos, entrelaçados pelos laços do calvário e o amor de Jesus marcou o nosso coração e o selo do Espírito nos garante a vitória em todas e quaisquer que sejam as circunstâncias. E diz-nos o salmista: Elevo os meus olhos para os montes, de onde me virá o socorro? o meu socorro vem do Senhor que fez o céu e a terra. Ele não deixará vacilar o teu pé, o meu pé. Aquele que te guarda e que me guarda não dormitará. Eis que não dormitará e nem dormirá o guarda de Israel, nós somos o Israel de Deus. O Senhor é quem te guarda, o Senhor é a tua sombra à tua direita, o sol não te molestará de dia e nem a lua de noite. O senhor te guardará de todo o mal, Ele guardará a tua alma. O Senhor guardará a tua entrada e a tua saída desde agora e para sempre. Que o Senhor, o meu e o nosso Deus, nos guarde como diretoria, entrando neste momento e que ele continue nos guardando até aquele momento em que passarmos as responsabilidades àqueles que Deus, com certeza, há de separá-los, atavés do reconhecimento dos batistas brasileiros para o novo período a partir de 2017. Que Deus nos abençoe e não nos esqueçamos, irmãos, mais importantes do que as coisas é o Senhor e as pessoas e como é bom respeitar a liderança e ser respeitado por ela. Que esta nossa querida Convenção Batista Brasileira continue tendo dias de progresso, de revitalização e de avanço na obra bendita do evangelho de Cristo Jesus. Como operadores do evangelho e como lavradores da lavoura de Jesus Cristo, a sua Igreja, querida e santa, e por nós amada.

Que Ele nos abençoe, Amém!