segunda-feira, 27 de março de 2017

Fidelidade


            Provérbios 27.8: “Qual a ave que vagueia longe do seu ninho, tal é o homem que anda vagueando longe da sua morada”.
            Na Bíblia de Jerusalém, é assim: “Como ave vagando longe do ninho, assim é o homem vagando longe do lar”.
            Quando escrito o provérbio, as distâncias eram, teoricamente, bem maiores em função dos transportes disponíveis. Passados 3000 anos, embora as distâncias sejam as mesmas, foram encurtadas pelos recursos que se tem.
            Infidelidade no relacionamento com o cônjuge, do esposo para a esposa, ou vice-versa, acontece até mesmo sem sair de casa, pois as redes sociais abriram uma estrada extensa e larga, cujo transitar é muito fácil. De casa, pode-se estar em todos os lugares do mundo e o morador ou moradora ao lado está na mesma distância que outros do outro lado do planeta.
            Fato é que muitos são marcados negativamente por essa prática e lares destruídos, carreiras promissoras abortadas e, pasmem, ministérios acabados com marcas indeléveis que nunca serão apagadas.
            Para Millôr Fernandes, “O preço da fidelidade é a eterna vigilância”. Jesus advertiu: “Vigiai e orai para que não entreis em tentação”.
            De Nietzsche, temos: “Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos”. Jesus ensinou: “Assim como quereis que os outros vos façam, fazei-lho vós também a eles”.

****************************************
* Série de meditações no livro de Provérbios. Cada dia do mês, o capítulo com o número do dia é destacado. A sugestão é que você leia o capítulo inteiro.

domingo, 26 de março de 2017

Resposta sábia


            Um jovem pergunta ao velho sábio: “Qual o segredo de uma vida bem sucedida e vivida com sabedoria?”.
            Ouve a resposta: “Nunca, nunca mesmo, discuta com um insensato!”.
            O jovem ríspida e veementemente rebate: “Não concordo, não é assim, eu não concordo!”.
            O sábio arremata: “Você tem razão! Você tem razão!”.
            Contraditoriamente, Provérbios 26.4-5 apresenta: “Não respondas ao tolo segundo a sua estultícia; para que também não te faças semelhante a ele. Responde ao tolo segundo a sua estultícia, para que não seja sábio aos seus próprios olhos”.
            Curioso: não responder ao tolo segundo a sua estultícia e responder ao tolo segundo a sua estultícia. Estultícia é tolice, falta de bom senso. Há sabedoria aqui: não responder para não se igualar ao estulto, responder para que ele não seja sábio aos próprios olhos.
            Não se pode negar que não responder ao tolo segundo a sua tolice para não se tornar semelhante a ele é mais cristão do que responder ao tolo segundo a sua tolice para que ele não seja sábio. A sabedoria está em fazer com o semelhante o que se deseja para si.
            Um ditado antigo decreta: “Um burro carregado de livros não é doutor!”. Aplicando: um insensato, um tolo cheio de títulos acadêmicos não é, necessariamente, um sábio.

****************************************

* Série de meditações no livro de Provérbios. Cada dia do mês, o capítulo com o número do dia é destacado. A sugestão é que você leia o capítulo inteiro.