Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 11 de dezembro de 2016

Bíblia Sagrada

            Estava em Nova Friburgo, Rio de Janeiro, alguns anos atrás para compromissos eclesiásticos. Na pousada em que me hospedei, da janela, percebi, certa manhã, que um fusquinha tinha no seu painel, bem pertinho do vidro dianteiro, uma Bíblia. Pensei tratar-se de algum hóspede que estava na cidade para o mesmo compromisso. Chegando à recepção, conversei com o atendente sobre o episódio e fui informado que o carro era seu. A razão: a Bíblia dava sorte.
         Numa escola em que trabalhei, percebi que uma edição da palavra de Deus ficava aberta sempre no Salmo 91 num bonito Porta-Bíblia. Conversando com uma professora, soube que a razão era expulsar coisas ruins. Reverentemente, sempre que passava por ali, mudava a página.
          Embora a atitude seja simpática e, até reverente para alguns, na verdade, diminui o valor da Bíblia. Ela não é um amuleto que traz sorte, espanta mal olhado e muda circunstância por si só. Diz o escritor na Epístola aos Hebreus, “a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar” - Hebreus 4.12-13.

           Hoje, no Brasil, os evangélicos comemoram o Dia da Bíblia. Quer exaltá-la? Leia-a, medite nela dia e noite e pratique seus ensinos.

sábado, 10 de dezembro de 2016

Gangorra Espiritual - IV

Planejando um combate, Amazias contratou cem mil homens valentes de Israel para se unir à Judá. Um homem de Deus o adverte que não há do Senhor aprovação daquela aliança. Mais uma vez, ele revela a descida na gangorra: “E o dinheiro que paguei, como farei?”. O profeta lhe garante: “Mais tem o Senhor que te dar do que isso!”. Amazias sobe de novo em sua gangorra, obedece prontamente e dispensa os soldados.
            
Com base na reação dele, o saudoso Pr. Davi Gomes, há mais de trinta anos, pregou o sermão “Deus paga o prejuízo!”.

O dinheiro em si não é mal. Mas o amor a ele é a raiz de todos os males. E Amazias foi picado por esta serpente do mal.

Uma jovem cristã postulava um emprego. Após a aprovação, o chefe a orientou: “Você deve vestir blusas decotadas, saias curtas e usar maquiagem provocadora”. “Por quê?”, quis saber. “Faz parte das estratégias para atrair os clientes”. Ela não titubeou: “Não farei isso, se para crescer na empresa, eu precisar desses expedientes e não de minha competência, não aceito”. Perdeu a vaga. Ficou no prejuízo. Tempos depois conseguiu emprego melhor.

Em sua vida, que provoca e prende você que é contrário à vontade de Deus e você tem medo de perder? Deus paga o prejuízo. Não se amedronte, obedecer a Deus é a certeza que Ele cobrirá qualquer renúncia que se fizer.

A gangorra espiritual traz grandes males.

Gangorra Espiritual - III

Em sua gangorra espiritual, conforme registro de II Crônicas 25, Amazias experimenta outra decida e subida. O verso 3 informa que “sendo-lhe o reino confirmado, ele matou a seus servos que mataram a seu pai”.

Vingança é uma das maiores demonstrações de fraqueza, embora sempre esteja atrelada ao poder. Basta ser revestido de alguma proeminência que o ser humano quer se vingar, quer ir à forra.

O rei Amazias desconhecia: “Ó Senhor Deus, a quem a vingança pertence, ó Deus, a quem a vingança pertence, mostra-te resplandecente” - Salmos 94.1.

Marco Aurélio Antonino, que não é o juiz do Supremo, declarou: “O melhor modo de vingar-se de um inimigo, é não se assemelhar a ele”.

Para Fabrício Carpinejar, “Não conheço vingança perfeita. Não se vingar talvez seja a melhor vingança. Fazer esperar uma resposta que nunca virá”.

Interessante é que no mesmo episódio, Amazias vivencia outra subida. Registra o verso quatro que “não matou os filhos deles; mas fez segundo está escrito na lei, no livro de Moisés, como o Senhor ordenou, dizendo: Não morrerão os pais pelos filhos, nem os filhos pelos pais; mas cada um morrerá pelo seu pecado”.

A proposta cristã não é a prática parcial da vontade do Senhor, mas que, gradativamente, experimente o crescimento num relacionamento agradável em que o presente seja bem melhor que o passado. A gangorra espiritual traz grandes males.

Gangorra Espiritual - II


Servir a Deus pela metade, não com o coração inteiro, é a causa de insucesso no final da caminhada. Ainda que aparentemente tudo esteja bem e o sucesso uma marca presente, no futuro, as consequências da atitude insensata serão reveladas. Foi caso de Amazias, rei de Judá, conforme registro em Segundo Crônicas 25.

Perdida a guerra da decisão de servir a Deus, a grande batalha do inimigo é criar situações para que a pessoa não o sirva com o coração inteiro.

Serve-se a Deus não com o coração inteiro quando a adoração no templo no domingo é destoante da prática durante a semana.

É servir pela metade quando declara amar a Deus e, no dia a dia, despreza-se o semelhante.

Deus é “servido” não com coração inteiro quando aceita a filosofia do jeitinho para levar vantagem em alguma situação.

O coração não está inteiro diante do Senhor quando se faz daqui uma espécie de morada eterna, não se preocupando com a eternidade.

Todo dia, descortina-se diante da pessoa uma oportunidade para seu serviço a Deus, ou com o coração inteiro ou pela metade. Não se esqueça de um pormenor: É impossível servir a Deus pela metade. Serve-se a Ele pela metade apenas na perspectiva humana, ilusoriamente. Deus sabe qual é a atitude. Quem decide é você! Que escolha fará no dia de hoje?